Pular para o conteúdo principal

SGC #39 - Reflexão sobre o filme Carros 3


Mcqueen é um carro de corrida, e neste filme enfrenta um inimigo bem real, que é o “Tempo”, existem muitos inventos que já foram grandes inovações, e que hoje estão ultrapassados, poucos são os que por exemplo utilizam velas ou fogo para iluminação, com a chegada da energia elétrica eles se tornaram bem menos valiosos, ou o que dizer da medicina?, se lemos livros de História podemos ver o quão horrendos eram alguns tratamentos do passado e que hoje em dia são tão práticos, não estou dizendo que a mudança necessariamente é algo ruim, existem muitos pontos positivos, como por exemplo tantas doenças que no passado eram devastadores e hoje pelos avanços da sociedade estão controladas e já não causam tantos problemas, o tempo é implacável, a sociedade não para, na maioria dos ramos de trabalho se você não inovar irá ficar para trás e será “ultrapassado”, da mesma forma como Mcqueen que no passado havia sido o corredor mais rápido, agora havia sido ultrapassado por novos competidores que utilizavam-se de novas tecnologias, no filme um a um dos antigos competidores iam sendo substituídos por novos até que em determinado momento da “velha guarda” restou apenas o Relâmpago Mcqueen

Por mais que Mcqueen seja um “carro”, ele é humanizado, e este lado “humano” também é abordado, pois não somente novas tecnologias estavam sendo usadas pelos novos candidatos, mas também eles eram isto, “novos”, Mcqueen já estava velho neste filme, o que rende ao longo do filmes várias piadas por conta de sua “idade”, ele já não é mais nenhum novato ou novo corredor, e é assim que no mundo real não somente invenções são substituídas, mas como também até mesmo os próprios “inventores”, com o tempo e quando a idade chega muitos seres humanos são deixados de lado como ultrapassados, mais novo pode ser sim melhor, mas isto não é uma regra, desconsiderando os conselhos dos velhos sábios e ouvindo as vozes dos mais jovens, por exemplo, o filho de Salomão procedeu loucamente, e com isto acabou dividindo o Reino de Israel entre o reino do Norte e o Sul, uma divisão esta que como podemos ver a História nunca voltou a ser o que era antes, se tivesse ouvido os conselhos dos mais velhos, Roboão teria sido um rei bem melhor e teria tido um reino muito maior, mas seguindo esta lógica de que “o mais novo é melhor” ele acabou cometendo um erro com consequências que nunca foram desfeitas, a nação nos tempos do filho de Salomão “inovou”, mas inovou de uma maneira errada, é escrito sobre ela que “fez Judá o que era mau aos olhos do Senhor; e, com os seus pecados que cometeram, provocaram-no a zelos, mais do que o fizeram os seus pais.” (1 Re 14:22), pecaram e provocaram o SENHOR mais do que seus pais e antepassados haviam feito, enfim isto é apenas uma prova para o que eu disse “mais novo nem sempre é o melhor”.

Voltando ao filme, Mcqueen que antes era rápido, passou a perder sem parar as corridas, até que teve uma oportunidade, de inovar como os novos competidores faziam, com o auxílio da treinadora Cruz Ramires, mas no final das contas esta tecnologia toda não acabou sendo muito útil para o Mcqueen, após um acidente aliado a este fracasso em se aproveitar dos novos métodos e sua “idade avançada” começaram a aconselhá-lo a desistir de uma vez por todas das corridas…
(Mcqueen e Cruz correndo na praia)
Quando é a hora de parar?, existe um homem na Bíblia, que parou antes da hora, e isto teve consequências sérias, este homem era Davi, ele seguiu vozes e conselhos que não deveria, após quase morrer em um combate, aconselharem que ele não saísse mais a guerra, para que não apagasse a chama de Israel, no filme algo “parecido” analogicamente aconteceu com Mcqueen, após um acidente as “vozes” que recomendaram que ele parasse aumentaram, e em ambos os casos a Idade pesava bastante, a questão é que em ambos os casos também eles estavam fazendo aquilo que sabiam e deviam fazer;

Davi ocupado com a Guerra era um perigo para os inimigos, Davi com tempo livre era um perigo para o seu povo, o que o Rei esqueceu, de uma vantagem que ele tem e o Mcqueen não, é o auxílio divino, o mesmo Deus que o susteve quando este enfrentou Golias, era o mesmo Deus no tempo de sua velhice, enquanto ele sendo um ser humano havia mudado bastante, o nosso Deus continuava o mesmo, e ainda era capaz de dar a Ele forças, e não estou falando algo absurdo, pois na própria Bíblia existe um exemplo de um homem de 80 anos (Calebe) que lutava da mesma maneira de como quando ainda era jovem, e por conta deste “tempo livre” Davi acabou cometendo um erro tolo, ao invés de confiar em Deus, ele fez um “censo de Israel” como podemos ver perto do final de sua vida, ele se esqueceu de algo que havia aprendido em sua juventude, que números não importam, que o mais importante é Deus, e assim no final de sua vida não dependeu do SENHOR e sim de homens, e isto de diversas formas era necessário até que uma mulher aquecesse seu corpo por conta do frio, enfim, se Davi tivesse continuado lutando apesar de sua idade, as coisas poderiam ter sido bem diferentes, é um caso parecido com qualquer pastor, por exemplo, o melhor tempo para um pregador se aposentar, é a morte, antes disto é melhor que ele continue guerreando, e fazendo aquilo que deve fazer.

É certo que por conta do tempo nem sempre somos capacitados por Deus para fazermos coisas “extraordinárias” apesar da idade, ainda sim com o tempo adquirimos Sabedoria que pode ser passada aos mais novos, e assim não somente é uma lição para o filme, mas também um aprendizado para a vida real, de que por mais que não continuemos “lutando”, podemos ensinar os outros a lutar, Davi podia inspirar os jovens, e ensiná-los o que ele aprendeu, que é confiar em Deus, que não importasse quão grande e forte fosse o inimigo, se Deus estivesse do lado deles, este inimigo nada poderia fazer contra eles, assim também o Mcqueen acabou tornando pupila aquela que deveria ser sua mentora, e ensinando o que ele sabia, para que assim ela pudesse realizar seu sonho de se tornar um carro de corrida, ela tinha a juventude que o Mcqueen já não mais tinha, porém a Teoria que ela sabia não era o suficiente, faltava o conhecimento prático que normalmente só é adquirido pelos mais velhos, aqueles que tiveram a oportunidade já de colocá-lo em prática, como uma “tocha”, que é passada de um indivíduo para o outro, é assim que todo conhecimento deve ser, isto inclui até mesmo o conhecimento mais importante de todos como é o caso do mais importante de todos o Evangelho, devemos passar ele à diante, para que quando não pudermos mais correr, aqueles que podem continuem levando esta chama em frente.

Apesar de ser um filme infantil ainda sim podemos tirar proveito dele, é certo que o próprio Mcqueen acabou correndo novamente em alguns momentos, de igual forma mesmo aqueles que “param” ainda tem que continuar lutando em determinados momentos, as lições aprendidas aqui são, nem sempre o mais novo é o melhor e os mais velhos por mais que tenham sido “ultrapassados” pelo tempo, podem carregar preciosos ensinamentos úteis e proveitosos que não somente podem mas também devem ser transmitidos aos mais novos, no final de contas com a mentoria e inspiração de Mcqueen, Cruz aquela que deveria ser apenas uma instrutora se tornou uma corredora campeã, sem “ouvir” o passado, as coisas teriam sido bem diferentes, assim como foram em diversos momentos da História, como já citei na História de Roboão filho de Salomão, assim também foi com os mais variados grupos e pessoas da História da Igreja, a Palavra de Deus, costuma ser tratado como antigo e ultrapassado por muitos, e isto levou a grandes pecados, se continuassem ouvindo e seguindo o que foi ensinado pelos antigos pregadores a palavra da Verdade as coisas poderiam ter sido bem diferente.
Obs: Mas importante lembrar também que nem sempre o mais novo é pior, por mais que o texto seja focado no outro lado, este é um ponto que não deve ser esquecido, existem pessoas com um “saudosismo”, como se o mais antigo sempre fosse o melhor, este é um ponto tão errado quanto pensar que o mais novo seja sempre melhor, é necessário ter um equilíbrio, e buscar na maioria das vezes não menosprezar nenhum dos lados, existirão momentos que o antigo será melhor mas em outros casos as inovações não são ruins, e em ambos os casos a Palavra de Deus nos deve guiar, naquilo que ela nos permite inovar inovamos, e naquilo que nos manda sermos conservadores, conservemos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Série 95 Teses, Tese 18 - Eu amo Maria, mas ela não era perfeita

Se eu te disser que mulher nenhuma presta, eu provavelmente seria taxado como louco e diversos outros tipos de coisa (principalmente por aqueles que não leem a Bíblia), mas quando eu demonstro que isto não é simplesmente uma mera ideia mim mas uma “paráfrase” de um texto bíblico as coisas mudam, foi o sábio Salomão que escreveu isto; “causa que ainda busco, mas não a achei; um homem entre mil achei eu, mas uma mulher entre todas, essa não achei.” (Ec 7:28 JFA), Salomão buscava por justos, e diz que entre todas as mulheres não achou uma sequer (ou entre tantas dependendo da versão), enquanto entre muitos homens ele achou um, essa é uma constatação bem real, por mais que Salomão vivesse ainda por mil anos ou mais ele ainda não acharia uma mulher sequer que fosse justa, a realidade é que nenhuma é, Salomão constatou neste momento a depravação do homem, e se você não entender a doutrina do Pecado Original e da Depravação Total certamente não conseguirá compreender o que ele disse, mas cal…

95 Teses para a Igreja Moderna

No Dia 31 de Outubro de 1517 Martinho Lutero fixou suas 95 Teses na porta de Catedral de Wittenberg, eram 95 pontos que ele considerava necessários e importantes para a Igreja daquela época e por isto tinha o desejo de debater sobre elas com seus opositores, enfim, este acontecimento marca o início da Reforma Protestante, e por conta de estarmos próximos do Aniversário de 500 Anos deste dia, resolvi escrever as minhas 95 Teses, abordando temas relevantes para a Igreja Moderna, cada uma delas visa corrigir erros que uma ou mais denominações não somente protestantes, como também da demais que se consideram cristãs acabam caindo nos dias de hoje.
1. Salvação não se perde.
2. Devorador é apenas um gafanhoto não um demônio, além disto ele não é culpado por você gastar mais do que deveria. 3. Todos os crentes são chamados de santos, não somente os mais ilustres deles. 4. Objetos Ungidos são apenas a versão moderna das indulgências do passado, não tendo nenhum tipo de efeito mágico miraculoso. 5.…

SGC #1 - Aprendendo com o exemplo do Jiraya

Jiraya é um dos personagens do Anime Naruto, ele é um dos 3 Densetsu no Sannin, que seria traduzido “Ninja Lendário”, um título e tanto que o coloca entre os personagens mais fortes e respeitados de sua Aldeia, mas apesar de seu importante título, a vida de Jiraya foi cheia de “fracassos” como ele percebeu pouco antes de sua morte.

Desde sua infância ele foi rejeitado por diversas vezes por sua colega de equipe Tsunade recebendo diversos foras e pancadas dela, enquanto isto seu outro amigo e colega de equipe trilhou um caminho de escuridão o qual ele não pode impedir.
Seu mentor perdeu a vida lutando contra ninguém menos que seu amigo citado anteriormente, e Jiraya foi incapaz de protegê-lo.
um de seus pupilos perdeu sua vida para proteger a Aldeia onde eles vivem e Jiraya também não estava lá para ajudá-lo, outro de seus aprendizes se tornou o líder da organização mais perigosa do mundo, foi tentando impedir que este aprendiz continuasse com seus terríveis planos que Jiraya acabou morre…